Black Clover Quartet Knights

Black Clover: Quartet Knights falha em sua busca por ação competitiva

Os animes lançados na Shonen Jump seguem fazendo muito sucesso no Japão e diversos países do mundo. Um desses exemplos é a obra Black Clover, criada por Yuki Tabata em 2015, que acabou de ganhar o seu primeiro jogo. Em Black Clover: Quartet Knights, a Bandai Namco procurou agraciar os milhões de fãs da série, mas esbarrou numa experiência simples e sem muita emoção.

O modo história traz uma estória completamente inédita, envolvendo os personagens já conhecidos do anime. Os diálogos são desenvolvidos em formas de animações e outras, na sua maioria, em imagens estáticas de cada um e uma caixa de conversa escrita. Para o público brasileiro é mais complicado, já que o título não tem tradução para o português.

Pois bem, você começa o enredo com o protagonista Asta, que acaba se envolvendo numa trama de viagem do tempo com a versão jovem de Yami. Com um argumento simples, os jogadores poderão encerrar rapidamente a estória, que possui três visões para o mesmo evento.

A jogabilidade de Quartet Knights não é de fazer os olhos dos gamers brilharem. O controle de câmera é complicado e os golpes parecem ser muito genéricos. Nem os golpes especiais conseguiram me deixar empolgado e não demonstraram ter uma força que valesse a pena utilizá-los.

Graficamente, o jogo também deixou a desejar. Os cenários não são nada atrativos e os personagens não trazem a qualidade apresentada em games de maior investimento como os da série Naruto, Dragon Ball e do ótimo RPG Ni No Kuni II. Parece que a Bandai Namco fez o jogo apenas por obrigação, investimento o mínimo possível.

Modo Online seria o grande atrativo, mas…

Black Clover: Quartet Knights tem o seu grande atrativo no modo online. Nele, os jogadores poderão se juntar a modos inspirados em Overwatch, em que poderão defender pontos e escoltar cargas de cristais.

O grande problema é, que para o povo da América do Sul, há poucas pessoas disponíveis para jogar. Tentei por dias achar um servidor que conseguisse formar partidas, mas não obtive sucesso.

Veredicto

Black Clover: Quartet Knights poderia ter trazido uma história melhor desenvolvida e uma jogabilidade mais interessante e trabalhada, sem golpes genéricos e dando importância a golpes especiais. Sem ter um foco ao público brasileiro, seja por localização do jogo ou servidores que conseguissem dar um suporte maior ao modo online, o título deixa muito a desejar e certamente não agradará quem investir o seu dinheiro nele.

NOTA: 5,5

+História inédita e exclusiva para o jogo

+Personalização dos personagens

+Modo online promissor…

– Mas falta servidor e jogadores
– A voz de Asta gritando é de deixar qualquer um irritado
– Jogabilidade genérica e pouco trabalhada.

BGS 2018: Kingdom Hearts III melhora jogabilidade, mas ainda deve