Destiny 2 – A Maldição de Osiris deixa a desejar e não vale o que custa

Destiny 2 chegou aos consoles em outubro desse ano, contando com muitas novidades em sua jogabilidade e com a missão de não repetir os mesmos erros do passado, com uma comunidade que reclamou muito dos diversos conteúdos pagos e que nem sempre valiam o dinheiro investido.

O que vimos em A Maldição de Osiris já liga o alerta vermelho para os futuros lançamentos da franquia da Bungie e Activision. Custando R$ 61,50 para quem não adquiriu o pacote na pré-venda, a primeira DLC de Destiny 2 é decepcionante, apesar do visual esplêndido.

A história traz o lendário arcano Osiris, mentor de Ikora e guardião exilado pelos seus próprios companheiros. O guardião vive em Mercúrio e acaba descobrindo um plano dos Vex de destruir o sol, extinguindo toda a vida do universo.

Osiris em Destiny 2

A trama tinha tudo para ser boa, mas infelizmente acaba de uma forma simples e rápida, não dando tempo para explorar mais da história é grandiosidade de Osiris, além de se tornar confusa em diversos momentos. A Maldição de Osiris pode até ser considerada um spin-off, pois não acrescenta nada para um futuro da série.

Já que pouca coisa foi adicionada, a pergunta que fica é: não seria interessante lançar essas pequenas expansões de forma gratuita e trabalhar numa DLC ao nível de “O Rei dos Possuídos” de Destiny 1?

Problemas para quem não comprou a expansão

Como não bastasse um modo história fraco, A Maldição de Osiris acabou tornando a vida de muitos jogadores um problema. Quem não adquiriu o conteúdo acabou sendo impedido de realizar ações que antes eram liberadas. A raid Leviatã e o Assalto do Anoitecer acabaram avançando para 330 de luz para serem realizadas no modo Prestígio e os donos da versão do game não conseguiam ir além dos 305.

Após diversas críticas da comunidade, a Bungie desceu o nível da raid para 300, mas ainda manteve a versão mais difícil do Anoitecer em 330, o que a fez mudar um troféu para que não fosse impossível de conquistar.

É inimaginável você pagar caro em um jogo (R$ 250 no Brasil) e perder conteúdo ao qual você sempre teve acesso. Esse foi um grande tiro no pé dos desenvolvedores, que perdem ainda mais respeito entre seus adeptos.

Tudo muito belo, mas muito curto

Outro problema em A Maldição de Osiris é a vida útil de seu conteúdo. Podemos compará-lo ao próprio planeta Mercúrio. Apesar do belo visual – a versão do passado é extremamente bem feita e linda de se ver – o mapa é apenas circular e minúsculo, com um único evento público disponível.

Temos novos assaltos e aventuras inéditas, mas como o restante do conteúdo tudo acaba se tornando monótono e chato de ficar repetindo nas outras semanas, já que é improvável que deem loots poderosos.

Mesmo que demore um pouco para chegar ao nível máximo de luz e haja novos equipamentos, alguns precisando realizar diversas missões para obter acesso, é muito pouco para segurar a comunidade com afinco até a próxima expansão.

Raid Lair é interessante e desafiante

Um dos trunfos dessa primeira expansão de Destiny 2 é a raid lair “O Devorador de Mundos”. A incursão mais curta traz elementos mais desafiadores, lembrando um pouco dos conteúdos do primeiro jogo da franquia.

Dessa vez, os seis Guardiões são convidados pelo imperador Callus para limpar uma ameaça que está atrapalhando o motor da nave Leviatã.

Argos Destiny 2 A Maldição de Osiris

O “grande elemento desafiador” se encontra mesmo no final, quando encontramos o chefe Argos, um Vex enorme e poderoso. É necessário ter uma boa coordenação da equipe para bater o inimigo, além de lidar com a horda de inimigos que aparece para atrapalhar.

Mesmo com isso, A Maldição de Osiris dá a sensação de que poderia ser muito melhor e dar mais horas de jogo aos donos do game base. A Bungie parece estar mais disposta a manter a comunidade ativa, mas é necessário acertar quando tem chance. Resta torcer para que a próxima expansão, ainda sem data para chegar, corresponda às expectativas.

Nota: 6

Pontos positivos

– Raid Lair é interessante

– Novos equipamentos bem feitos

– Gráficos de Mercúrio estão lindos

Pontos negativos

– História curta e fraca

– Osiris poderia ter mais destaque

– Conteúdo curto e que não cativa

– Atividades bloqueadas para quem não tem a DLC.

PUBG recebe atualização de 4,7 GB com correções de desempenho

Próxima Notícia »

Melhores jogos de 2017; Confira as escolhas do Player One World