Pokémon GO marca um nova era para jogos mobile

Num movimento inesperado, Pokemón GO foi disponibilizado na App e Play Stores da Nova Zelândia, Austrália e Estados Unidos, deixando fãs de outras regiões do mundo em polvorosa para jogar o esperado game de realidade virtual da Niantic. Não demorou muito até que algumas pessoas conseguissem burlar a trava de região para conseguir testar o título.

Apesar do aplicativo não estar em pleno funcionamento na época, conseguimos testar o game antes do lançamento oficial aqui no Brasil – que deve ocorrer em breve segundo a The Pokémon Company.

A interface é bastante simples e direta. Seu avatar customizável aparece no mapa de acordo com as informações do GPS, e os Pokemón Centers e Ginásios são mostrados no mapa em uma região próxima ao jogador. Não é possível arrastar a câmera para tentar verificar outras regiões da cidade, o jogo é travado ao redor do jogador.

Um mundo ainda vazio

Os “PokéCenters” são pontos onde você pode conseguir itens gratuitos, e são distribuídos entre prédios importantes, monumentos e artes de rua. A cada algumas esquinas existe um, então os treinadores mais dedicados vão poder coletar muitos itens em seus caminhos diários.

Ginásios são um pouco mais dispersos do que os Centros, porém existem em quantidade o suficiente para que você esbarre em ao menos um sem muita dificuldade. A única restrição é que Ginásios só podem ser acessados após o nível 5, então esperem mais informações sobre o funcionamento total quando o jogo for lançado.

Falando em níveis, o jogador ganha de acordo com suas ações. Capturar pokemóns garante experiência, com um bônus se você estiver pegando um pela primeira vez. Todos os pokémons vêm com dois itens: Stardust e Candy.

Um Squirtle XL

Os Candys são itens específicos de cada Pokémon, então Zubats terão Zubat Candy e assim é com cada um. Candys podem ser usados juntamente de Stardust, que é compartilhada para todos os bichinhos, para subir o Combat Power (CP) do pokemón desejado ou então uma grade quantidade de candy é necessária para evolui-lo. Então se quiser um Charizard, prepare-se para corres atrás de muitos Charmanders.

Um menu lateral também mostra em silhuetas no melhor estilo “Quem é este Pokémon?” os monstros próximos à sua localidade, para que você decida se vale a pena ou não bater perna pela região que você se encontra, apesar de que no teste, todos os pokemóns capturados foram encontrados dentro do meu apartamento ou no corredor do prédio, porém sempre limitado aos pokemóns disponíveis na região.

A loja também já está disponível. Os itens incluem pokébolas, que além de compradas também são garantidas ao jogador a cada nível passado, itens que aumentam a quantidade de pokémons na região, upgrades para sua mochila de itens e para seu inventário de pokemóns, e também ovos misteriosos.

Os ovos podem ser colocados em uma incubadora que todo jogador possui e não tem limite de uso. Se você desejar chocar mais de um ovo, pode comprar incubadoras extras na loja, porém elas são limitadas a 3 usos.

Todos os itens são cobrados em Ouro, que pode ser adquirido em vários pacotes que vão pouco mais de 3 reais até pacotes de mais de 300 reais. Como o jogo ainda não foi oficialmente lançado, estes preços podem estar sujeitos a alterações.

Ouch

A primeira impressão é de que a Nintendo conseguiu realmente fazer um jogo free-to-play onde o dinheiro pode sim acelerar sua jornada, mas aqueles que desejarem uma experiência totalmente gratuita também terão as mesmas condições de ser um Mestre Pokémon.

Seu sucesso já se comprovou com o crescimento das ações da Nintendo em 25%, algo que não acontecia desde o lançamento da gigante japonesa. O mercado de de jogos para Smartphones pode-se dizer que foi redefinido com a chegada de Pokémon GO.

 

The Legend of Zelda: Breath of the Wild prova que ambição da Nintendo funcionou

Próxima Notícia »

The King of Fighters XIV tem missão de cativar a nova geração de jogadores